Levando em consideração que o usuário pode selecionar um modelo de agitador magnético com aquecimento baseando-se em apenas um ou dois critérios, que tal acertar na escolha deste equipamento para laboratório tendo em mente os cinco seguintes aspectos?

AMBIENTE DE RISCO: Solventes orgânicos e misturas de substâncias químicas podem criar uma situação de risco no laboratório – modelos padrões podem atear fogo sob médias e até altas temperaturas. Por isso, dê preferência para modelos a prova de explosão, quando necessário.

EXATIDÃO E ESTABILIDADE: Quando o controle da temperatura e velocidade de agitação for crucial, escolha um modelo com agitação e aquecimento digital de maneira que o controle de feedback eletrônico permita melhor exatidão e estabilidade. Há sistemas de controle – como, por exemplo, o por microprocessador PID de loop fechado – que monitora a temperatura da plataforma e/ou a velocidade de agitação, e automaticamente compensa as mudanças no sistema relativas ao set point selecionado.

FAIXA DE ALCANCE E UNIFORMIDADE: A composição da plataforma (cerâmica, porcelana ou alumínio) e o tipo de controle da temperatura contribuem para a faixa de alcance e uniformidade.

VISCOSIDADE: a habilidade de um agitador magnético efetivamente agitar uma solução irá depender do formato da plataforma e tamanho, forma da barra magnética e tamanho, distância entre a barra magnética e a plataforma, formato do frasco e tamanho, velocidade de agitação desejada, e a viscosidade de sua solução.

VOLUME: Chapas aquecedoras e agitadores magnéticos com ou sem aquecimento são comercializados sob diversas configurações e tamanho, dependendo o fabricante – a variedade vai desde tamanhos pequenos com uma única posição, até modelos de ampla capacidade e multi-posições.

Fonte: http://www.splabor.com.br/blog/agitadores/dicas-5-aspectos-importantes-para-escolher-um-agitador-magnetico-com-aquecimento/